sábado, 19 de fevereiro de 2011

PÊNDULO QUEBRADO






Alvaro Maia










O implacavel cronometro da vida,
nos mecânicos giros errabundos,
ao bater os minutos e os segundos,
vai ficando com a órbita partida.
Enquanto corre o pêndulo, na lida
de revolver as eras nos seus fundos,
surgem do nada gêneses de mundos
e ao nada volta o que nao tem saida.
Corpo, frágil ponteiro da existencia,
coração, que alimentas e transformas,
perdestes o claror da adolescencia...
Mas, nas lutuosas noites merencórias,
haveis de reviver por novas formas
para a ressurreição de novas glórias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOVA EDIÇÃO